A Moda em Brechó

Segundo conhecedores de brechós, este é um lugar tentador para quem gosta de moda. Lá, é possível comprar roupas e acessórios de grifes famosas, por 30% menos que o valor original. Há pessoas que conseguem comprar peças legais e únicas, mas com referências atualizadas.

Foto: reprodução Brechó Lucy by Licquor

Segundo os consumidores de trajes usados, o bom de comprar num brechó é a economia, que permite até algumas compras mais impulsivas.

Brechós, uma mania em São Paulo:

Espaços como o Minha Avó Tinha e o extinto Universo em Desfile tornaram-se referência quando o assunto são peças vintage e bacanas. Mas as boas opções em São Paulo são muitas. Há brechós que apenas trabalham com grandes grifes nacionais e internacionais, outros que são especializados em peças garimpadas, muitas vezes sem etiqueta, e também os que mesclam um pouco de cada. O traço em comum, no entanto, é primar por peças que tenham informação de moda.

Dicas:

Observar o estado de conservação e se não tem furos e falta de botões.

Prestar atenção ao estado das peças e olhar o material com que foram feitas, porque há muito tecido sintético. Pensar nas roupas que você já tem no seu armário, para ver se vão combinar com o traje ou acessório que você pretende adquirir.

Saber de antemão o que você tem em mente, em relação as peças que precisa, para não perder tempo. Perguntar aos vendedores o que há de interessante também ajuda. Caso contrário você precisará de muito tempo para garimpar as melhores opções.

Ficar atento porque há muitas roupas interessantes, mas também há infinitas peças que não farão seu gosto.

História dos brechós:

Um comerciante chamado Belchior, no Rio de Janeiro do século XIX, deu início a primeira loja de venda de roupas e objetos de segunda mão. O nome dele, que era usado para designar esse tipo de estabelecimento, acabou ganhando, pela irreverência popular, o termo brechó. Com o tempo, esses locais ficaram conhecidos como antigas lojas empoeiradas que tinham como clientela pessoas de baixo poder aquisitivo.

Preconceito:

Vem daí a fama, que ainda perdura, de que os brechós são sinônimos de velharias e reduto de traças. No entanto, esse conceito mudou mundialmente. Um fator que tem contribuído para que esse preconceito seja quebrado é o fato dos estilistas renomados, produtores de moda e figurinistas de novelas usarem artigos de brechós em suas criações. Outro aspecto que tem levado tais locais a serem mais frequentados é a abordagem dada pela mídia quando alguns famosos usaram, em grandes eventos, roupas e acessórios comprados nesses estabelecimentos. A atriz americana, Angelina Jolie, por exemplo, surpreendeu aparecendo com um vestido comprado em um brechó por apenas vinte e seis dólares. Além da apresentadora brasileira, Xuxa Meneguel, que usa roupas de brechó em seu figurino para o programa.

Resgatar estilo de décadas anteriores e adaptá-las no mundo da moda tem sido um grande "truque” de muitos estilistas. Para quem procura exclusividade, quer gastar pouco e, ainda, estar na moda, os brechós são uma boa alternativa. Nesses locais se pode encontrar uma variedade imensa de estilos e, ainda, fazer uma viagem no tempo.

Foto: reprodução Patrícia -
Angelina Jolie em traje de brechó

Fontes: Uol - Estilo - Moda e Questão de Ordem.